Com a grande repercussão de casos de ciberataques, criar um plano de conscientização entre colaboradores é essencial

A perda de dados é um dos maiores pesadelos de qualquer empresa. Em razão disso, muitos investimentos tecnológicos são realizados para minimizar essa possibilidade. No centro do problema, encontra-se a ação humana, que no modo geral, representa o elo mais fraco nas tentativas de combate na perda de informações.

Ter um bom plano de conscientização de segurança é importante para mitigar possíveis ataques e garantir que os usuários entendam os perigos que eles enfrentam. Treinar os usuários fornecerá as habilidades necessárias para que todos estejam alinhados e possam sinalizar comportamentos suspeitos.

A seguir, confira algumas das boas práticas para desenvolver um bom plano de conscientização:

  1. Crie uma Política de Segurança da Informação– ela deve estabelecer uma diretriz da gestão para toda a organização. Além disso, conscientize constantemente os usuários sobre as políticas determinadas pela equipe de TI e a importância de cumprir cada uma delas;
  2. Simule ataques –eles vão preparar seus colaboradores para possíveis situações reais. Através das simulações, o colaborador desenvolve um senso crítico sobre a segurança da informação e identificação de falsos e-mails;
  3. Desenvolva uma cultura de segurança– com ela, virá uma boa tomada de decisões e a aplicação das melhores práticas de segurança da informação se tornarão atividades diárias. Por exemplo: desenvolvimento de um canal de comunicação com os colaboradores através de boletins informativos, dicas de como proteger senhas, política de mesa limpa, backup de dados, navegação segura e consciente na Internet, promoção de eventos e palestras de segurança da informação;
  4. Realize um treinamento contínuo capaz de gerar mudança no comportamento do usuário –isso relembrará a importância da segurança da informação, exemplificando casos reais de forma simples e objetiva. Após isso, acompanhe os resultados das campanhas e treinamentos para analisar, identificar os riscos e melhorias no comportamento da empresa e das pessoas;
  5. Reportar casos ou atitudes suspeitas –estimule isso para a equipe de segurança da informação da empresa para que seja feito o registro, análise e tratativa do incidente e, assim, evitar a propagação de um possível ataque.
  6. Analise a necessidade de contratar uma empresa especializada– uma empresa de fora que tenha experiência e conhecimento das melhores práticas de mercado poderá realizar uma avaliação do ambiente, podendo encontrar vulnerabilidades e ameaças não visualizadas pelos profissionais internos.

O plano de conscientização estimula e motiva os funcionários treinados a se preocuparem com a segurança como um todo, e a se tornarem o elo mais forte no ciclo da cultura de segurança. Manter o assunto em alta destaca a importância e as consequências de não levar o tema a sério.

E a sua empresa, já está trabalhando em um plano de conscientização em segurança da informação?

Fonte: CIO