Não subestime a complexidade de adequação às novas regras, saiba as melhores práticas para não deixar para a última hora.

A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) chega para modificar a forma como os dados pessoais serão coletados e tratados pelas empresas e estabelecer, ainda, padrões sobre a gestão da privacidade de informações, tornando esses processos mais transparentes e seguros.

A adequação é um trabalho complexo e requer o devido suporte jurídico. Seguindo o exemplo de outros países, como aqueles que fazem parte da União Europeia (UE), que desde 2018 já conta com uma legislação sobre o assunto, o Brasil passa a ter a sua lei específica para proteção de dados, além de um órgão – a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) – para definir regulamentações e fiscalizar a aplicação da Lei.

A partir de agosto de 2020, a adoção de medidas de segurança de tratamento de dados se torna obrigatória para as atividades de empresas (de qualquer porte) e também para pessoas físicas, uma vez que agora será preciso esclarecer o motivo da coleta e do uso de dados pessoais, além de se obter autorização para a captação dos mesmos.

Abaixo, uma lista com orientações importantes para não perder o prazo do cumprimento da LGPD.

1. Nomeie um líder

O projeto de adequação é complexo e, portanto, requer uma liderança para defini-lo na empresa. É necessário que esse profissional se aprofunde na LGPD com suporte jurídico, para realizar corretamente o planejamento do projeto e acompanhar a sua execução.

2. Faça um mapeamento de métodos e processos

É essencial mapear todos os métodos e processos da empresa para que as regras de coleta e tratamento de dados impostas pela LGPD sejam aplicadas, além de se definir uma nova metodologia de adequação à lei.

3. Tenha o suporte jurídico necessário

Toda Lei, principalmente as que surgiram recentemente, tem particularidades que requerem análises de especialistas para serem cumpridas efetivamente, a fim de evitar que erros de interpretação gerem prejuízos para a empresa.

4. Não se limite a tratar dados de clientes

A LGPD não traz apenas orientações sobre como tratar os dados dos clientes. É preciso mapear os outros públicos com os quais a sua empresa lida no dia a dia, como colaboradores e fornecedores.

5. Não subestime a complexidade de adequação às novas regras

Não ache que esse processo pode ser feito rapidamente. Ele requer planejamento, mudanças em métodos e processos, investimentos em soluções para assegurar o sigilo de informações, assim como testes de implementação.

Fonte: CIO