Mais do que ter informações, empresas precisam saber lidar com elas. O tratamento e aproveitamento dos dados é, com certeza, mais relevante para a geração de resultados do que o simples armazenamento dos materiais.

Resumindo, dados abundantes nem sempre são garantia de boa gestão. Dados bem analisados, sim.

Assim, a melhor estratégia é sempre manter o foco no que é primordial ao negócio, e adequar as grandes quantidades de dados trazidas de todas as fontes para afunilar, azeitar e potencializar estratégias de marketing, gerenciamento de pessoal, vendas etc.

Neste alinhamento, ganham espaço tecnologias voltadas a análise de dados – Business Intelligence e Business Analytics, principalmente.

E para alcançar excelência nesta estratégia, cabem algumas dicas:

Diferencie relatório de análise

Relatórios não são análises – ao menos, não sempre. Utilizar um BI ou BA levando em conta somente os números, estatísticas e reportes obtidos é, portanto, uma ação de subutilização do potencial destas tecnologias.

É fundamental frisar que tais soluções devem entregar aos gestores, mais do que dados puros, poder de análise. É isso o que irá gerar os insights necessários para determinar ações efetivas.

Tenha uma base inteligente

Sistemas de Business Intelligence/Analytics são aptos a captar informações de fontes diversificadas. E por que isso é bom? Porque resulta em uma base de dados integrada, tornando mais eficiente a busca e análise dos conteúdos.

Isso se traduz em maior poder analítico para todos os setores corporativos e em uma gestão mais embasada, com maior entendimento do todo e de cada parte, gerando assertividade na tomada de decisões.

Saiba usar

Seja qual for a tecnologia, a grande chave para obter melhores resultados é saber usar. Com o BI, não é diferente. É preciso capacitar os profissionais que utilizarão a solução, a fim de obter o melhor em termos de análises e aplicações à estratégia de negócio.

E é bom lembrar que isso não se restringe aos gestores: a tecnologia de inteligência de dados deve ser tratada em um âmbito mais amplo, empoderando usuários de todos os setores a partir da análise de informações e cenários para que colaborem na estipulação das melhores ações.

Fonte: CIO