Como as GRESs, as empresas também estão sendo instigadas a desafiar suas entregas para se manterem competitivas

O Carnaval é uma época bem importante para a economia. A festa, com o desfile das escolas de samba, mobiliza desde a década de 30 turistas do mundo inteiro. Prova disso é que, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens e Turismo (CNC), a expectativa era de que este ano o Carnaval movimentasse uma média de R$ 6,78 bilhões.

O que impressiona é a capacidade das escolas de samba de realizar o espetáculo dentro do prazo já que não há como mudar e com os recursos recebidos para o ano. Em muitos momentos, por conta da instabilidade econômica, a falta de verba leva realização do trabalho a partir da reciclagem de materiais utilizados em carnavais anteriores.

Mesmo sendo um espetáculo de sucesso, que colhe resultados positivos por tantos anos, percebemos que o carnaval nos últimos 2 anos vem se transformando para as escolas de samba. Isto prova que até mesmo fórmulas de sucesso precisam se reinventar.

E assim como as escolas de samba, as empresas também estão sendo instigadas a desafiar suas entregas para se manterem competitivas. Como podemos aprender a ter resultados campeões? Lilian Cidreira, CEO da consultoria de desenvolvimento de empresas e carreira Future Minds, dá o caminho das pedras.

Não basta cumprir o prazo, tem que surpreender

Para as escolas de samba, apenas entrar na Avenida cumprindo o protocolo não leva ao título. Eles precisam surpreender os julgadores dentro do enredo se querem garantir resultados excepcionais. “Assim é no mundo corporativo, se você quer uma equipe com de alta performance, é necessário ir além e pensar como entregar algo que supere as expectativas e possa contribuir com a tomada de decisão de forma estratégica e de fácil entendimento”, diz Lilian Cidreira.

Para inovar, é essencial desafiar padrões

Este ano pudemos ver desfiles com inovações como mestre sala e porta-bandeira em cima de carro, mestre de bateria fantasiado e atos cênicos durante o desfile. De acordo com a CEO, para inovar, as equipes precisam desafiar o que já é feito com excelência e como pode ser ainda melhor. Sempre há espaço para inovações, mas para isso, é essencial ter senso crítico para não cair na armadilha do ‘time que está ganhando não se mexe’. Assim como a empresa evolui, os departamentos e necessidades do negócio também mudam e inovar é estar atento.

É preciso engajar a ‘multidão’

No carnaval, o público também tem participação fundamental e, em diversos casos, ganha a Escola de Samba que teve uma torcida ativa. “No mundo corporativo, ter equipes de outros setores que apoiam e servem como embaixadores dos seus projetos pode ser essencial para uma aprovação da Diretoria. Procure quem são as pessoas que acreditam no seu trabalho e que podem ajudar a fazer uma torcida a seu favor”, afirma a CEO da Future Minds Consultoria.

Fonte: CIO